Archive for novembro \27\UTC 2008

h1

Ajude Santa Catarina

27/11/2008

Quem quiser ajudar Santa Catarina, estes são os dados da conta corrente da Defesa Civil do estado.

Caixa Econômica Federal – Agência 1277, operação 006, conta 80.000-8
Banco do Brasil – Agência 3582-3, Conta Corrente 80.000-7
Besc – Agência 068-0, Conta Corrente 80.000-0. O
BRADESCO S/A – 237 Agência 0348-4, Conta Corrente 160.000-1

nome da pessoa jurídica é Fundo Estadual da Defesa Civil, CNPJ – 04.426.883/0001-57.

Defesa Civil de SC alerta sobre ação de golpistas pela Internet.
A Defesa Civil não envia mensagens eletrônicas com pedidos de auxílio. As contas oficiais para depósito são as publicadas no site da Defesa Civil de SC.

Vários pontos e estabelecimentos em diversas cidades em todo o Brasil estão recolhendo doações para os desabrigados das cheias que assolaram o estado de Santa Catarina, principalmente no Vale do Itajaí. Procure estes estabelecimento caso queira fazer doações de roupas, remédios ou alimentos. Respeite os desabrigados, doe roupas limpas, inteiras e prontas para uso imediato. Sapatos devem ser amarrados aos pares e com o tamanho anotado em uma etiqueta a caneta.

Santa Catarina agradece.

h1

Lightroom 2: Preparando Fotos para Impressão

26/11/2008

Eu recomendo a todos meus amigos fotógrafos que imprimam suas fotos, levando seus arquivos aos laboratórios fotográficos. Primeiro porque a foto impressa transmite uma sensação diferente da foto mostrada na tela do computador. Segundo, porque a foto impressa você carrega com você e mostra para as pessoas a todo momento, é mais fácil compartilhar suas fotografias assim com parentes, amigos e etc. Sei que na internet existe Flickr, Orkut e etc… mas muita gente, principalmente parentes, nem sempre estão conectados ou visitam estes sites.

Se você já imprimiu suas fotos em laboratórios de revelação, já deve ter percebido que o tamanho da imagem produzida pela câmera nem sempre tem a proporção ideal para a impressão. Inclusive, os tamanhos oferecidos pelas empresa também não são proporcionais entre si, alguns exigindo maior ou menor corte na foto. Eles lhe dão a possibilidade de imprimir toda a foto no papel deixando áreas brancas nas sobras da proporção, mas isto pode atrapalhar a foto caso você deseje utilizá-la em um porta retrato ou álbum de fotografias.

Assim sendo, já que você terá de cortar suas fotos, nada mais justo que você mesmo o faça, ao invés de deixar esta decisão nas mãos do técnico do laboratório fotográfico. Assim você escolhe seu novo corte e decido o que fica e o que sai da fotografia.

Para tal, a primeira coisa que você deve fazer é solicitar ao laboratório uma lista dos tamanhos oferecidos por eles (normalmente 10×15, 15×21, 20×25 e daí por diante) e o real tamanho da impressão deles (no laboratório onde imprimo minhas fotos, por exemplo, a impressão 15×21 tem, na verdade, 15,2cm por 21,3 cm). A posse destes dados permitirão que você leve os arquivos para eles exatamente com o corte necessário para a impressão total no papel.

Mas como fazer este corte? A ferramenta Crop do Lightroom é uma boa opção, pois ela lhe permite escolher a proporção do quadro de corte que você utilizará. Só que o uso desta ferramenta exige que, caso você vá imprimir a imagem em tamanhos diversos, você crie Cópias Virtuais da imagem ou então Snapshots de cada corte. Além disto, acaba posicionando a decisão do corte da imagem para impressão em um ponto muito inicial do workflow (você normalmente decide o Crop da imagem e ajusta o alinhamento dela antes mesmo de fazer as correções do RAW), e o ideal é que esta decisão do corte para impressão fosse a última etapa do workflow.

Outra opção é exportar suas imagens com o corte básico que você fez no LR (eu sempre faço meus Crop no LR utilizando a mesma proporção da imagem produzida originalmente pela minha câmera). Depois de exportadas as imagens, basta levá-las ao Photoshop para cortar uma por uma. Isto permite que você crie presets da ferramenta CROP com cada tamanho necessário, e joga a decisão do corte para o final do workflow. O único contra deste método é exigir que você abra o Photoshop, e salve sua imagem novamente (e cada vez que você salva um JPEG, a imagem degrada um pouquinho).

Claro que é apenas a minha opinião, mas a melhor opção (que descobri há pouco tempo) para executar este corte para impressão, está em um módulo do Lightroom que, aposto, você visitou apenas uma ou duas vezes. O módulo Print. Pode parecer óbvio, mas a primeira impressão (sem trocadilhos) quando se visita este módulo é de que ele está voltado para impressão direta para a impressora, e demora-se um pouco para se descobrir o potencial deste para a geração de arquivos para impressão em laboratório… mas ele está lá.

Como fazer

Primeiro, na visualização Grid do módulo Library (tecla de atalho G), selecione as fotos que você quer utilizar. Particularmente, eu tenho algumas coleções próprias para impressão (separados por tamanho), e coloco ali todas as fotos que vou imprimir em determinado tamanho. Quando se acumula uma quantia boa de fotos, simplesmente seleciono todas para exportação.

Após selecionar todas as suas imagens, salte para o módulo Print, pois é lá que configuraremos nossa impressão para exportar um JPEG pronto para impressão em laboratório.

Inicialmente o módulo Print está programado para dar saída diretamente para sua impressora, mas vamos alterar isto de forma simples. Então para começar, na área de painéis do lado esquerdo, visite o painel Template Browser e selecione o modelo Maximize Size, que nos dará um bom ponto de partida para a impressão de uma foto por folha (por arquivo JPEG, em nosso caso).

print_01

Isto fará com que, na área de visualização central, sua imagem seja colocada com o maior tamanho possível dentro da página. Perceba que a página possui margens brancas. Isto deve-se a dois motivos. Primeiro, a proporção da foto é diferente da proporção da imagem, então para caber sem cortes é necessário que espaços fiquem em branco. Segundo, o LR reserva parte da folha para a margem de impressão, já que nem todas as impressoras permitem impressão nas bordas da folha.

Para continuar nossa configuração, você precisa até a área de painel do lado direito, e então descer até o painel Print Job. Visto abaixo.

print_02

Neste painel é que vamos alterar algumas opções para que nossa imagem seja impressa em um JPEG para ser levado para o laboratório de impressão, e não impressa em nossa impressora conectada ao computador.

Primeiro, altere o menu Print To para JPEG File. Isto fará com que diversas opções abaixo sejam alteradas. Para seguir com nossa configuração, altere File Resolution para 300 dpi (ou então a resolução que sua câmera pode produzir para um arquivo do tamanho que será produzido – você pode descobrir isto fazendo o crop no Photoshop e então verificando a resolução no comando Image Size). Ative a opção Print Sharpening e configure-a em Standard, e escolha abaixo o tipo de papel que utilizará na impressão (Matte para fosco, Glossy para brilhante). Se o tamanho do arquivo não for problema para você, recomendo deixar a opção JPEG Quality em 100.

Iremos agora configurar o tamanho físico do nosso arquivo no comando Custom File Dimensions, mas perceba que, por padrão, as opções estão em polegadas. Como o laboratório irá lhe fornecer estes tamanhos em unidades métricas, suba até o painel Layout (na mesma área de painéis), e na parte superior, onde está Ruler Units, selecione a opção Millimeters. Retorne ao painel Print Job para terminarmos a configuração de nosso arquivo.

Agora que nosso painel está todo em milímetros, ative a opção Custom File Dimensions e entre com o tamanho físico da imagem que você irá imprimir. Não se importe com a orientação (paisagem x retrato) pois o LR cuidará disto para nós, apenas digite primeiro a unidade menor, depois a maior. Neste nosso exemplo entrarei com o tamanho da foto 10 x 15 (10,2cm por 15,2 cm)do laboratório onde imprimo minhas fotos. Então vou lá e digito 102 e 152.

Meu painel Print Job fica assim:

print_03

Com estas alterações sua imagem ainda pode ficar com algumas bordas brancas, mas vamos corrigir isto rapidamente no painel Layout e Image Settings.

Comece visitando o painel Layout. Coloque todos os deslizantes Margins (quatro ao todo, Left, Right, Top e Bottom) em 0.0mm, e ajustes os deslizantes Cell Size (Height e Width) totalmente para a direita, o que os deixará com o mesmo tamanho de altura e largura que você especificou no arquivo (neste caso, Height ficará com 152mm e Width com 102mm – mas não se preocupe com medidas, simplesmente arraste-os totalmente para a direita). Agora sua página não tem mais nenhuma margem obrigatória, e caso sua imagem ainda apresente bordas brancas, é devido ao fato de ela não ter a mesma proporção da impressão. Vamos corrigir isto no painel Image Settings. Mas antes vamos ver como ficou meu painel Layout.

print_04

Agora vá ao painel Image Settings e acione as opções Zoom to Fill, que fará com que sua imagem se adeque ao tamanho da impressão em sua menor dimensão, fazendo com que seja cortada na maior dimensão. Certifique-se também de que a opção Rotate to Fit esteja ativada, de forma que o LR detecte se sua imagem tem orientação vertical ou horizontal, e ajuste-a altomaticamente. As opções Repeat One Photo per Page e Stroke Border devem ficar desativadas, conforme vemos abaixo.

print_05

Sua impressão já está configura. Suas imagem cortada para caber perfeitamente na impressão. Então vá até o painel Template Browser e aperte no Sinal de Adição (+) ao lado do cabeçalho para salvar esta sua configuração como uma pré-definição, assim você terá ela sempre que quiser gerar arquivos para imprimir fotos 10 x 15. Nomeeie o seu arquivo (eu chamei o meu de “Foto 10 x 15”, assim à medida que adicionar outras pré-definições, como “Foto 15 x 21” e etc… elas vão se organizar por ordem). Mas o nosso tutorial não termina aqui ainda.

Se você selecionou mais de uma foto para impressão, perceba que no canto inferior direito da área de visualização existe um escrito que diz algo como “Page 1 of 3”. Ele está ali para lhe dizer quantas fotos você irá imprimir, e qual delas você está visualizando. Para mudar a foto visualizada, clique nas setas que estão no lado esquerdo da mesma barra (clique na imagem para ampliar).

print_06

Agora, coloque seu mouse sobre a image e perceba que ele vira um cursor em forma de mão. Isto permite que você clique e arraste sua imagem dentro da área de impressão, escolhendo assim o melhor corte para sua imagem (afinal, isto tudo seria inútil se você não pudesse escolher, você mesmo, o corte desejado). Basta ajustar o enquadramento, e então clicar na seta para visualizar a próxima imagem, enquadrá-la, e assim por diante, até escolher o corte de todas as imagens que você irá imprimir.

Para finalizar, clique no botão PRINT TO FILE que fica na parte de baixo da área de painel direita do módulo Print. Isto fará abrir o navegador de arquivos do Windows onde você pode escolher onde salvar seu arquivo e nome dele. Caso você esteja salvando apenas uma imagem, o nome escolhido será o nome do arquivo. No caso de vários arquivos, o nome escolhido será o nome da pasta (criada automaticamente) que terá os arquivos dentro.

BÔNUS: Agora que você já tem seu modelo para impressão de foto 10 x 15 no Template Browser, a partir deste modelo, simplesmente vá ao painel Print Job e ajuste o tamanho Custom File Dimensions para o tamanho que seu laboratório forneceu para 15 x 21. Volte ao painel Layout para verificar que os deslizantes Margins estão em 0.0mm, e que os deslizantes Cell Size estão totalmente para a direita. Caso não, ajuste-os, e salve seu novo modelo de impressão (Foto 15 x 21), e vá repetindo este processo até salvar modelos para todas os tamanhos que você desejar. Agora você tem seus ajustes de tamanho a apenas um clique de distância.

Este método é o mais interessante, na minha opinião, pois ele permite que você ajuste o corte da sua imagem, produza um arquivo no tamanho ideal para a impressão no laboratório, ao mesmo tempo que não afeta o corte original do seu arquivo de imagem, não exigindo assim o uso de uma cópia virtual para cada tamanho desejado, e coloca as escolhas de impressão na última etapa do workflow.

Seja bem vindo à comentar.

h1

Dicas para O Lightroom 2

19/11/2008

Resolvi juntar em um post diversas dicas sobre o Lightroom 2 que seriam pequenas e curtas demais para serem posts individuais. A maioria delas são coisas que se descobre no dia a dia, em blogs e etc. Mas são coisinhas que podem acelerar e auxiliar muito nosso fluxo de trabalho no programa.

Ajustes Diretamente Sobre o Histograma

Quando você passa seu mouse sobre o histograma que se encontra no topo da área de painéis direita do módulo Develop, seu mouse se torna uma seta apontando para os dois lados e uma área do histograma é destacada, e abaixo do do histograma (aonde normalmente estão os dados do EXIF de sua foto) surge um texto dizendo qual ajuste é responsável por aquela região do histograma e sua configuração atual.

dicas_001

Basta clicar neste ponto e arrastar o mouse para os lados para ajustar esta área do Histograma como se você estivesse movendo o próprio deslizante responsável por aquela área. Da esquerda para a direita do histograma você pode manipular Blacks, Fill Light, Exposure e finalmente o Recovery.

Indo Diretamente ao White Balance Selector

Lembra no artigo sobre Balanço de Branco, onde mencionei a White Balance Selector, aquela ferramenta que permite que você clique diretamente sobre a imagem para neutralizar aquela área e, assim, ajustar o balanço de branco?

A tecla de atalho para esta ferramenta é o W, mas ela possui a vantagem de funcionar mesmo no módulo Library. Então se você estiver vendo suas imagem em qualquer visualização do módulo Library, e derrepente encontrar uma que precise de um ajuste rápido de Balanço de Branco, pressione W, e o Lightroom vai automaticamente para o módulo Develop, já com a ferramenta White Balance Selector ativada no seu mouse. Basta clicar na imagem para ajustar o Balanço de Branco e pressionar G para retornar à visualização Grid do módulo Library novamente.

Use o Ponto, digo Tecla, “G”

A tecla G é um dos melhores atalho do Lightroom. Pressionar o G em seu teclado faz com que o Lightroom retorne à visualização Grid (miniaturas) do módulo Library. O “grande” dela é que funciona em qualquer lugar do Lightroom, em qualquer módulo. Ou seja, a qualquer momento em que você queira retornar à visualização de miniaturas no módulo Library do LR, basta apertar G.

Use a Tecla Alt para Ajustar Recovery, Exposure e Blacks

Se você pressionar e segurar a tecla Alt para ajustar os deslizantes Recovery, Exposure e Blacks, o Lightroom irá deixar sua imagem toda preta (branca para o ajuste de Blacks), e irá marcar na imagem os pontos onde os brancos (para Recovery e Exposure) ou os pretos (para blacks) estourem. Assim você pode ver facilmente os pontos críticos durante os ajustes dos deslizantes.

dicas_002

Na imagem acima eu exagerei no Exposure para estourar bem a imagem, segurando o ALT para visualizar apenas os estouros. As áreas brancas são áreas de estouro de todos os canais, as áreas coloridas são pontos onde apenas certos canais de cores estouraram.

Restaurar Deslizantes à Configuração Padrão

Para restaurar apenas um determinado deslizante para sua configuração padrão dê um duplo-clique sobre o nome do deslizante ou sobre a alça (a parte sobre a qual você clica e arrasta). Isto restaura aquele deslizante para sua configuração padrão. Dando duplo clique sobre um nome de seção (como WB, Tone ou Presence) restaura todos os deslizantes da seção.

Utilize o Interruptor

Todos os painéis (exceto Basic) do lado direito do Lightroom na seção Develop possuem um pequeno interruptor que serve para desativar as modificações feitas por aquele painel.

dicas_003

Sem que você ver um destes interruptores, saberá que pode clicar sobre ele para desativar apenas os ajustes feitos por aquela seção. Isto facilita para ver um antes/depois da sua imagem, comparando-a com e sem os ajustes daquela determinada seção.

Falando em Antes/Depois

Outra tecla de atalho fundamental no Lightroom é a tecla “\” (barra invertida), pois ela permite visualizar sua imagem original, como ela foi importada (com o preset que foi aplicado no momento da importação). Basta pressionar “\” para o LR mostrar a imagem original (no canto inferior direito da visualização surge um texto dizendo BEFORE), e pressionar novamente para sua imagem atual. O único ajuste que não retorna ao original é o CROP, de forma que os elementos da sua imagem permaneçam no mesmo lugar para facilitar a comparação.

Mas e se você quiser comparar a sua foto atual com outro momento de sua foto? Isto é fácil… basta ir no painel History na área de painéis esquerda do módulo Develop, e na lista de alterações da imagem encontrar o momento que você quer utilizar como referência de comparação (o momento que você quer que seja o seu “Antes”). Basta clicar com o botão direito do mouse sobre aquele comando/momento e selecionar a opção “COPY HISTORY STEP SETTINGS TO BEFORE”. Agora, sempre que você pressione a “\” o LR mostrará este momento da imagem.

Outras Grades no Crop

Quando você ativa a ferramenta CROP para cortar sua imagem no LR, ela abre-se com uma grade representando a “Regra dos Terços” sobre sua imagem. Quase ninguém sabe, mas o Lightroom possui outras opções grades para ajudar na composição do seu corte.

Para visualizar as outras opções pressione, com a ferramenta CROP ativa, a tecla de atalho “O” (letra Ó). Isto faz a grade alternar entre: Regra dos Terços; Linhas Áureas, Diagonais Áureas, Diagonal Perpendicular (técnica de pontos de atenção bastante utilizada nos quadrinhos), Espiral Áurea, e Grade. Você ainda pode alterar a direção de algumas grades pressionando Shift-O.

Crop no Escuro

Para visualizar de forma optimizada seu crop, você está a apenas algumas teclas de atalho de distância da ferramente de corte definitiva. Vá no módulo Develop e acione a ferramenta CROP.

Com a ferramenta ativa, pressione a tecla “L” duas vezes para entrar no modo Lights Out, que escurece tudo ao redor de sua foto. Em seguida pressione Shift-Tab para esconder todos os painéis. Perceba que o CROP ainda está ativo… então basta clicar nas bordas do CROP e arrastá-las para fazer o corte em sua imagem e visualizar apenas a área restante, sem ser distraído por aquilo que foi removido da sua imagem, painéis, comandos e etc. Quando terminar, pressione Shift-Tab mais uma vez, e “L” mais uma vez.

Exportando para o Photomatix

Se você curte HDR e utiliza o Photomatix, a empresa responsável pelo programa disponibilizou um plugin para o Lightroom 2 que permite que você exporte um grupo de imagens diretamente para o Photomatix (versão 3.1 ou maior) para fazer um HDR.

O plugin, bem como as instruções de instalação, pode ser encontrado neste link.

No futuro, montarei outro artigo destes com dicas curtas.

Grande abraço para todos, e agradeço a todo mundo que tem visitado e deixado seus comentários neste blog.

h1

Lightroom – Balanço de Branco

13/11/2008

Quem acompanha o blog deve se lembrar do tópico sobre Temperatura da Cor, pois já do que se trata o assunto, precisamos saber agora como aplicar este conhecimento à fotografia digital.

Digo fotografia digital porque a temperatura da cor na época da fotografia analógica era ciência de foguetes. O fotógrafo tinha de saber previamente o tipo de iluminação que teria, então comprar o filme apropriado para aquele tipo de luz, ou então utilizar filtros coloridos para compensar a temperatura da cor da luz. Na fotografia digital isto ficou muito mais simples.

Fotografia JPEG

Para quem fotografa em JPEG, o cuidado tem de ser dobrado. Diferente do RAW, as alterações que compensam o balanço de branco são fixadas permanentemente no JPEG, e uma compensação errada pode prejudicar sua imagem de forma irremediável.

O usuário, então, tem a possibilidade utilizar as pré-definições da câmera ao fotografar, que são aquelas opções Sunlight, Shade, Fluorescent, Tungsten e etc., para adequar a imagem à temperatura da cor. Estas pré-definições funcionam muito bem em situações óbvias de luz… mas em situações de luz mista ou de temperatura diferenciada, pode ser o início de um desastre.

Neste caso o usuário tem outras duas opções. A primeira delas o AWB (Auto White Balance – Balanço de Branco Automático). O AWB analisa sua imagem e busca neutralizar as cores. Funciona muito bem na maioria das vezes, mas em cenas que não possuam elementos brancos ou neutros o AWB pode ser enganado e confundir a configuração.

Para esta situação, é possível configurar um Custom White Balance. As câmeras mais modernas fazem isto com base em uma fotografia que possua um grande elemento branco ou cinza neutro fotografado sob a luz da cena. Com base nesta imagem a câmera fixa um balanço de branco que será utilizado nas outras imagens da mesma sessão de fotos.

Mas a forma mais segura de lidar com o Balanço de Branco é fotografar em RAW.

Fotografia RAW

Diferente do JPEG, a imagem RAW não registra permanentemente a configuração de balanço de branco utilizada. A câmera registra no EXIF (Pacote de metadados que acompanha a imagem, com informações sobre hora, data, modelo da câmera, configurações e etc.) a configuração de balanço de branco utilizada, mas a imagem em si não é alterada, de forma que o usuário pode, caso a câmera não tenha escolhido a configuração correta, corrigir o WB sem qualquer perda de qualidade.

O Lightroom nos oferece algumas formas diferentes de encontrar o balanço de branco correto (ou então utilizar um incorreto como ferramenta artística). O último método é o mais rápido e funcional, mas é útil conhecer outros métodos para momentos em que sua imagem não possui um elemento neutro visível ou então você deseja explorar o balanço de branco como uma ferramenta criativa.

Método 01: Pré-definições

O primeiro método de Balanço de Branco consiste em experimentar as pré-definições padrão de balanço de branco. É como utilizar as mesmas pré-definições diretamente em sua câmera. A vantagem é que como você fotografou em RAW, pode experimentar sem riscos à sua imagem, de forma instantânea, e sem a necessidade de se fazer uma foto nova com cada configuração até encontrar a correta.

Vejamos a foto do meu lindo sobrinho (tio babão detected!!), onde a luz do flash deixou a foto muito quente (tonalidade avermelhada).

WB_001 

A foto acima é uma foto simples de encontrar o balanço de branco, graças à roupa do bebê que sabemos ser branca. O branco ou cinza sempre será nossa referência ao se definir o balanço de branco da imagem. Se você levar a imagem ao Photoshop ou Lightroom e tirar uma amostra da cor da roupinha, perceberá que ela possui mais vermelho e verde do que azul, que resulta na cor amarelo/laranja que vemos.

As configurações de Balanço de Branco do Lightroom ficam no módulo Develop, na parte de cima do painel Basic, logo abaixo do histograma e da pequena caixa de ferramentas. É ali que começaremos a explorar o menu de pré-definições do balanço de branco, que pode ser visto na imagem abaixo circulado em vermelho.

WB_002

Quando você abrir uma imagem RAW no Lightroom, neste menu WB: encontrará a opção “As Shot”, que significa que o LR está utilizando a mesma configuração especificada pela sua câmera no momento da captura. Caso sua imagem seja um JPEG, as únicas opções serão “As Shot”, “Auto” e “Custom”. Quando a imagem é RAW você tem no menu todas as pré-definições de balanço de branco. Basta clicar no menu e selecionar uma das opções para ela ser imediatamente aplicada a sua imagem. Como sua imagem é um RAW, não há mal nenhum em se testar todas as pré-definições e ver qual se aproxima mais da cor neutra.

Daylight (Luz do Dia)

WB_003

Cloudy (Nublado)

WB_004

Shady (Sombra)

WB_005

Tungsten (Tungstênio)

WB_006

Fluorescent (Fluorescente)

WB_007

Flash

WB_008

Como podemos ver na lista, a melhor solução para a imagem foi exatamente a configuração Flash, que esfriou as cores no ponto para deixar a roupa neutra. Mas em uma situação de iluminação mista pode ser difícil que alguma pré-definição solucione totalmente o problema. Entre as pré-definições há uma configuração chamada “As Shot” que utiliza a configuração fornecida pela câmera, e “Auto” que faz com que o próprio LR tente equilibrar as cores. Se você utiliza sua câmera no AWB, as configurações As Shot e Auto normalmente dão resultados bem similares.

Método 02: Custom

Abaixo do menu WB existem dois deslizantes chamados Temp e Tint, mexer em qualquer um deles faz com que o menu WB apresente a opção Custom, que significa que você irá aplicar na imagem uma configuração de balanço de branco diferente das pré-definições oferecidas.

A forma de se utilizar os deslizantes é bastante intuitiva, e a Adobe ainda tomou o cuidado de facilitar ainda mais a sua vida colorindo os deslizantes de forma que você saiba qual a tendência de cor oferecida por cada um deles. O deslizante Temp esfria as cores quando puxado em direção ao azul (esquerda) e aquece em direção ao amarelo (direita).

Já o deslizante Tint oferece correção para fotos esverdeadas ou amagentadas. Puxar para longe do verde (direita) reduz o tingimento verde da imagem, normalmente fornecido pela luz fluorescente, e para o outro lado, longe do magenta (esquerda), reduz-se o tingimento amagentado da imagem.

Este método é a melhor opção quando sua imagem não tem um elemento neutro que você possa utilizar como referência para o método 03. Neste caso, a sua melhor opção é utilizar o método um para encontrar a pré-definição que lhe dá as cores mais neutras, e então utilizar os deslizantes Temp e Tint para fazer ajustes finais no balanço de branco e chegar o mais próximo ao neutro possível. Este método também é muito útil para se aplicar configurações criativas de balanço de branco.

Método 03: White Balance Selector

Acabei de lhe mostrar dois métodos interessantes, mas o LR oferece um último método (que será o seu primeiro na maioria das vezes) de configurar o balanço de branco que é simplesmente incrível. O único “porém” deste método é a necessidade de haver um elemento branco ou cinza-neutro na cena para ser utilizado como referência.

Ao lado do menu pop-up WB (aquele das pré-definições) há um círculo escuro com um conta-gotas dentro dele. Este conta-gotas é a ferramenta White Balance Selector, e clicar nela faz com que você a tire do lugar e a utilize para clicar um ponto da imagem que será utilizado pelo LR para equilibrar o branco. Abaixo, a ferramenta em seu lugar de repouso.

WB_009

Basta clicar sobre o conta-gotas para pegá-lo, e então clicar em algum ponto da imagem que deva ser neutro. O LR irá analisar o ponto em questão, e então alterar os canais de cores até que aquele ponto fique neutro, balanceando assim toda a imagem.

Por padrão, quando você clica na imagem, o LR automaticamente devolve a ferramenta ao lugar dela, mas isto pode ser mudado desativando a opção “Auto Dismiss” que aparece na parte de baixo da área de visualização da imagem. A vantagem disto é poder clicar várias vezes na imagem até encontrar o WB correto.

Dê preferência para um ponto da imagem que deveria ser cinza neutro, e não branco. Isto se deve ao fato que áreas brancas da imagem possuem pouca abrangência de desvio para a ferramenta trabalhar, um canal que poderia estar desviado devido à temperatura da luz, pode atingir o “teto” facilmente na cor branca e não ser corrido pela ferramenta. Por isto, no caso da imagem, clicaremos em um pouco da roupa que a sombra desvie para o cinza, e não na área mais clara e branca da roupa.

WB_010

Clicar na roupa do bebê (na área cinza) fez com que o Lightroom desviasse um pouco da configuração Flash, aquecendo um pouco as cores de 5500 para 5800, e desviando o Tint para o magenta em +5 pontos.

DICA: A tecla de atalho (W) aciona a ferramenta White Balance Selector e funciona também no módulo Library. Ou seja, se você estiver vendo todas as suas imagens no Library e encontrar alguma que precise de uma nova configuração de balanço de branco, basta pressionar W e o LR lhe leva ao módulo Develop automaticamente, com a ferramenta White Balance Selector já selecionada. Bastando clicar na imagem.

DICA: O painel Navigator no topo da área de painéis esquerda lhe dá um preview da aplicação do WB com a ferramenta White Balance Selector. Basta mover o conta-gotas sobre a imagem e observar o Navigator para ver como ficará a imagem caso você clique exatamente naquele lugar.

Fluxo de Trabalho

E quando sua imagem não possui nenhum elemento cinza? Você sempre pode inserir o elemento em uma imagem para utilizar como referência para toda uma sessão fotográfica que seja feita sob a mesma iluminação.

Digamos que você irá fotografar uma modelo, já ajustou a iluminação para toda uma seqüência de fotos, mas nem o cenário ou a modelo possuem um elemento neutro que possa ser utilizado no WB.

Então, para a primeira foto da sessão, peça que a modelo segure um cartão cinza 18%, destes vendidos em lojas especializadas de fotografia, ou então algum elemento neutro qualquer. Feita esta foto, de seqüência na sessão normalmente, pois esta primeira imagem será sua referência para a correção do WB (caso você altera a iluminação durante a sessão, faça uma nova foto de referência com o cartão cinza para esta nova seqüência – no fim, você terá uma foto com cartão para cada esquema de iluminação utilizado).

Quando você abrir sua sessão no LR, selecione a primeira imagem e vá ao módulo Develop. Selecione a ferramenta White Balance Selector e clique sobre o cartão cinza para ajustar o balanço de branco. Feito isto, vamos copiar esta configuração e aplicar e todas as suas imagens.

Para fazer isto, clique no botão COPY, que fica na parte de baixo da área de Painéis esquerda. Isto fará abrir a janela abaixo, chamada Copy Settings.

WB_011

Nesta janela você escolhe quais configurações serão copiadas da imagem atual para serem aplicadas. Comece clicando no botão CHECK NONE para desativar todas as caixas de verificação. Agora clique na opção White Balance para selecionar apenas ela. Clique COPY e o LR irá memorizar as configurações de balanço de branco desta imagem.

Agora pressione a tecla de atalho (G) para voltar ao módulo Library e visualização Grid. Selecione as imagens da sessão que tenham sido feitas com a mesma configuração de iluminação. Todas selecionadas, vá ao menu PHOTO >> DEVELOP SETTINGS >> PASTE SETTINGS, e isto aplicará sua configuração corrigida de WB em todas as imagens da sessão. Você não tem um cartão cinza em todas elas, mas o cartão cinza da sua primeira imagem foi utilizado como referência para corrigir todas elas.

Com estas ferramentas do Lightroom, não se tem mais desculpa para se errar no balanço de branco. Principalmente se você tiver tempo para planejar sua sessão de fotos.

Grande abraço para todos.

h1

PenDrive e Estúdios de Revelação

12/11/2008

Olá a todos. Serviço de utilidade pública.

A todo mundo que tem, como eu, o hábito de imprimir suas fotos em estúdios de revelação (digo imprimir porque você não pode “revelar” fotos digitais, já que o termo ‘revelação’ diz respeito ao processamento do negativo), evitem utilizar PenDrive para este processo, ao invés disto utilizem CDs e DVDs.

Eu sei que o PenDrive é prático e tudo mais, mas a grande maioria dos estúdios de revelação do Centro do Florianópolis (posso garantir pelo menos 3), estão com um tipo de vírus que se aloja no PenDrive em seus computadores. O vírus em questão de instala no PenDrive e gera um AutoRun que é acionado em seu computador no momento que se pluga o PenDrive ou então quando se dá duplo-clique sobre o ícone dele na janela Meu Computador do Windows Explorer.

Uma forma de se proteger do dito cujo é desativar o AutoRun para o PenDrive em seu computador ou então nunca dar duplo-clique sobre ele na tela Meu Computador, sempre abrindo-o clicando com o botão direito do mouse sobre ele e escolhendo EXPLORE (nunca Open, AutoRun ou Install Program) no menu contextual.

O vírus que peguei não é extremamente perigoso e é fácil retirá-lo (ele trava o uso do Firefox, bem como o uso do Orkut, Youtube e outros sites conhecidos no Internet Explorer). Mas não sei que outras variantes podem estar utilizando o mesmo processo, então é melhor se prevenir.

As empresas de revelação deveriam garantir a “boa saúde” de seus computadores, mas enquanto elas não fazem seu dever de casa, cabe a cada um se proteger.

Grande abraço para todos.

h1

Spielberg quer dirigir Remake de Oldboy

12/11/2008

Ah? Como? Eu ouvi direito? Ou será que isto é uma pegadinha do site omelete com 7 meses de atraso (ou 5 meses adiantado)? Nopes, é tudo verdade, o Spielberg que assassinou o roteiro deixado por Stanley Kubrick em A.I. – Inteligência Artificial, o mesmo Spielberg que re-editou as versões em DVD de E.T. e Indiana Jones para tornar o filme “politicamente correto”, que refilmar um dos filmes mais violentos, pesados, densos e interessantes do cinema Coreano?

Hollywood é um lugar triste e invejoso. Em sua máxima vaidade colocou na cabeça que iria refilmar Oldboy, o fantástico filme da Chan Wok Park de qualquer jeito. O projeto fez água quando o Coreano responsável pelo massacre em Virgínia Tech divulgou fotos em que utilizava um martelo, similar ao personagem do filme… mas a vaidade de Hollywood falou mais alto. Hollywood sabe que não agüenta o tranco… sabe que é incapaz de refilmar na íntegra um filme que envolve sexo, violência, auto mutilação, incesto, entre outras coisas. Hollywood irá fazer um final feliz para Oldboy… tirará o incesto, o sexo, e toda a parte gutural do filme… mas, tirando isto, é como tirar o gorila gigante de King Kong. Não que o filme seja só violência… mas, como exemplo, o incesto do filme é parte fundamental da história… tire-o, e não sobra o que contar do filme. Vai sobrar só o Will Smith comendo um polvo de CG.

Para piorar, ainda falam em Will Smith no papel de Oh-Dae-Su (que provavelmente se chamará John Smith ou algo do tipo, não será bebum e terá um lindo relacionamento com a família). Will Smith é um dos caras mais famílias de Hollywood, cada vez mais envolvido com filmes chorosos e familiares, até mesmo o ótimo “Eu Sou a Lenda” teve seu final modificado para a versão dos cinemas.

Espero queimar minha língua. Espero muito estar enganado. Mas a versão americana de Oldboy é um filme que já nasce fracassado. Ah 30 anos, o Spielberg de Tubarão e Contatos Imediatos de Terceiro Grau poderia faze-lo, o Spielberg de hoje não.

h1

Rapidinha: Lightroom Profiles Beta 2

08/11/2008

Lembra-se daquele perfis de cor novos da Adobe, sobre os quais falei neste post? A Adobe lançou um novo pacote de profiles para o Lightroom que atualiza os profiles da versão Beta 1, e adiciona suporte para novas câmeras. Os novos perfis (Beta 2) podem ser baixados no Adobe Labs.

Vale a pena o download.